로그인




연락처 :
bolle1917@gmail.com

?

단축키

Prev이전 문서

Next다음 문서

크게 작게 위로 아래로 댓글로 가기 인쇄
?

단축키

Prev이전 문서

Next다음 문서

크게 작게 위로 아래로 댓글로 가기 인쇄

https://lcligacomunista.blogspot.com/2021/04/mianmar-ditadura-militar-e-classe.html#more

quarta-feira, 21 de abril de 2021

MIANMAR - A DITADURA MILITAR E A CLASSE TRABALHADORA, GRUPO BOLCHEVIQUE DA CORÉIA DO SUL

A Ditadura militar de Mianmar e a classe trabalhadora
E a percepção muito prejudicial de alguns esquerdistas

Reproduzimos abaixo um documento sobre Mianmar com o qual temos acordo, elaborado pelo Grupo Bolchevique da Coréia do Sul





A maioria da esquerda coreana e internacional se opõe ao golpe militar de Mianmar. Mas, evidentemente, a maioria nem sempre está certa. No caso dos protestos em Hong Kong e da Bielo-Rússia, que foram temas quentes em 2019 e 2020, a maioria apoiou os chamados protestos " democráticos ". Ambas as ondas de manifestações foram de natureza reacionária e majoritariamente a "esquerda" esteve em Hong Kong e na Bielorrússia em apoio aos protestos pela democracia anti-chineses e aderiram à campanha anti-Rússia (ver grupo bolchevique em Hong KongBelarus posição de referência ). Mas na Declaração de 3/5/2021 conforme descrito neste artigo, estamos ao lado dos manifestantes que arriscam suas vidas para derrubar os militares reacionários.

Índice

Mianmar colonial / A Luta de Libertação Nacional e o Imperialismo Japonês / A intensificação da luta de libertação nacional e a expansão das áreas dos Estados operários desde o fim da II Guerra Mundial / As mudanças no eixo do conflito / A Colaboração de classes internacional da direção stalinista / A política confusa do Partido Comunista de Mianmar / A polarização política e guerra civil em Mianmar / A ditadura militar em defensa do capitalismo / O Golpe de Ne Win e o “socialismo birmanês” / Antecedentes do “socialismo militar” / Natureza da nacionalização militar / A transformação da Junta Militar em uma Máfia / A nova capital militar / A Era do Neocolonialismo / Resistência Popular em Mianmar / A Liga Nacional para a Democracia (NLD) e Aung San Suu Kyi / Internacionalismo proletário X Stalinismo / O Conflito Sino-Soviético / A Política 
da China para Mianmar / Mianmar e a Esquerda: 1) Minplus e 4.27 Época: o apoio dos militares 2) O Partido Revolucionário dos Trabalhadores (WRP: o grupo sul-coreano do RCIT) critica esta posição do "Grupo NL" como um "amigo do imperialismo chinês" / As Demandas da Classe Trabalhadora de Mianmar e do Mundo

Mianmar Colonial 

Em meio à competição pela divisão territorial, o mundo inteiro, incluindo África, Ásia, Américas e Oceania, caiu nas mãos do capital financeiro imperialista um após o outro. O imperialismo britânico, “o império em que o sol nunca se põe”, moveu-se para o leste depois de incorporar a Índia à sua esfera de influência, derrubou a dinastia Konbaung em 1886 após três guerras e conquistou até 
Mianmar.

O imperialismo, que despachou tropas para ocupar uma nova área, reorganiza a área ocupada. Não de acordo com as necessidades e interesses da população local, mas de acordo com os interesses do capital financeiro imperialista e a conveniência do domínio colonial. O imperialismo traça fronteiras arbitrariamente e confina os povo nativos nessas linhas violentamente impostas.

Em Mianmar, existem pelo menos entre 30 e 40 minorias étnicas, sendo 135 grupos étnicos reconhecidas oficialmente. Eles viveram em suas terras por muitos anos, desfrutando de sua própria língua e cultura. Mas agora as minorias foram confinadas nas fronteiras que o imperialismo traçou sob o jugo da violência imperialista britânica.

'Dividir para governar' é a velha maneira de governar os governantes. Em particular, é uma forma convencional pela qual um pequeno número de governantes imperialistas efetivamente controla um grande número de colonos. O imperialismo britânico criou hierarquias entre indianos, bengalis, birmaneses e minorias, e os fez antagonizar uns aos outros. Desta forma, estabeleceu uma ordem imperialista de separação. Era uma estratégia para fazer os governados brigarem, exaurir suas energias e desestabilizar a resistência para que a resistência não antagonizasse diretamente ao próprio imperialismo.

Após a conquista militar, a região e o povo de Mianmar foram incorporados à economia colonial mercantil. Mianmar é uma região rica em recursos. Especialmente, é um dos maiores produtores mundiais de arroz e óleo. Mianmar é um dos três maiores produtores de arroz do mundo, junto com a Tailândia e o Vietnã. O imperialismo britânico fez fortuna desenvolvendo a bacia do Rio Irrawaddy em arrozais em Mianmar, com o aumento dos preços internacionais do arroz. Mas os agricultores de Mianmar não se beneficiaram com isso. O preço foi determinado pela governança imperialista e os agricultores tiveram mais uma vez sua pele arrancada pela usura. Os campos de petróleo de Mianmar foram descobertos 
 no final do século XIX. Fundada pela Grã-Bretanha, a Burmah Oil Company foi tão pioneira que se tornou a controladora do desenvolvimento de petróleo no Oriente Médio no início do século XX.


A Luta de Libertação Nacional e o Imperialismo Japonês

Onde há exploração, há opressão; onde há opressão, a resistência é inevitável. O povo oprimido em Mianmar lutou pela libertação nacional contra o imperialismo britânico, e os Thakins estavam no centro disso. Em 1939, quando estourou a Segunda Guerra Mundial, decidiu realizar uma luta armada. Houve uma mistura de várias tendências políticas que mais tarde vieram divergir muito.

Nessa época, o imperialismo japonês já havia se tornado uma grande potência no Leste Asiático. Usando a Península Coreana como trampolim, invadiu a China continental em 1937 e entrou na competição pela divisão imperialista do território imperial. A ganância imperialista não conhece limites e, eventualmente, entra em conflito com a ganância de outros estados imperialistas. A expansão do poder de países imperialistas tardios como Alemanha e Japão enfrentou forças existentes como Grã-Bretanha, França e Estados Unidos, levando a uma segunda guerra imperialista.

Mianmar também foi um ponto chave para o Japão. Se o Japão conquistasse Mianmar, poderia derrubar uma das cidadelas da Grã-Bretanha e construir uma ponte para a Índia. E poderia cortar as rotas de abastecimento dos Aliados para o Kuokmintang e atingir o oeste da China. E o Japão poderia obter muita energia e alimentos. Assim, o Japão estava procurando forças locais para responder às suas operações militares.

Os espiões japoneses encontraram os Thakins, que ansiavam por ajuda militar necessária para o combate armado. Atendendo às necessidades uma da outra, essas duas forças planejaram uma operação militar conjunta. Trinta membros dos Thankins, que mais tarde foram mitificados como “30 Thakins”, incluindo “Aung San, U Nu e Ne Win”, escaparam para uma base militar japonesa em 1941 e foram treinados. Eles recrutaram soldados independentes birmaneses para expandir sua influência e, em março de 1942, avançaram para Mianmar com o Exército Imperial Japonês. Eles expulsaram as tropas britânicas e libertaram Mianmar do imperialismo britânico. Após a primeira independência, em 1 de agosto de 1943, eles estabeleceram o Exército Nacional da Birmânia, com Aung San como comandante e Ne Win como vice comandante.

Cartazes com U Nu e Bo Ne Win, respectiva e historicamente
representantes da ala liberal e da extrema direita militar na política de Mianmar

Mas o Japão tornou-se um novo ocupante, não um facilitador da libertação. Tirou Mianmar colonial da Grã-Bretanha, incorporou-o à sua 'esfera de influência imperial e reconstruiu o domínio colonial. O alvo de resistência do povo independente de Mianmar, que deseja a independência, mudou da Grã-Bretanha para o Japão. Em agosto de 1944, o Exército birmanês, o Partido Comunista Birmanês, o Partido Revolucionário do Povo e as minorias étnicas formaram a Liga da Liberdade Popular Antifascista Antijaponesa (AFPFL). Depois de uma derrota esmagadora na Batalha de Imphal entre março e julho de 1944, o exército japonês perdeu rapidamente o ímpeto. A AFPFL lançou um levante anti-japonês em março de 1945 e, em maio, junto com os Aliados, avançou para Rangum, derrotando as forças imperialistas japonesas.

Mianmar foi libertado pela segunda vez. No entanto, também significou o retorno das forças imperialistas anglo-americanas. O exército birmanês estava sob o comando dos Aliados. Os Aliados estavam, com efeito, sob o comando dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha. O exército britânico enviou conselheiros militares para liderar o exército birmanês e treinou cadetes de destaque na Commonwealth. Os Estados Unidos treinaram militares de Mianmar na base da CIA em Saipan, criando a infame Agência de Inteligência Militar de Mianmar. Apelidado de "Microscópio Eletrônico", o Brigadeiro General Tin Wu era uma figura representativa desse experimento.

A intensificação da luta de libertação nacional e a expansão das áreas dos Estados operários desde o fim da II Guerra

O povo de Mianmar não conquistou a independência inteiramente por conta própria. No entanto, eles eram pessoas orgulhosas que lutaram ativamente contra o imperialismo britânico e japonês. Antes e depois do fim da guerra, os trabalhadores locais, agricultores e minorias em Mianmar esperavam por "independência completa do imperialismo, nacionalização dos bens imperialistas, redistribuição de terras e independência das minorias". E essas demandas só poderiam ser plenamente atendidas pelo "socialismo". Assim, a maioria do povo de Mianmar considerava o socialismo um sistema político ideal, assim como o povo coreano antes e depois da libertação.

Essa era uma demanda não apenas de Mianmar, mas também de todas as áreas coloniais desde o final da Segunda Guerra Mundial. A guerra de rivalidade imperialista enfraqueceu o poder dos invasores imperialistas existentes, ao mesmo tempo que fortaleceu a capacidade dos trabalhadores e camponeses locais de lutar pela libertação nacional. Essa capacidade de luta tornou-se mais poderosa em combinação com a União Soviética, que já havia sido libertada do capitalismo e do imperialismo. A Europa Oriental e a parte norte da Península Coreana, onde o imperialismo alemão e o imperialismo japonês foram derrotados, tornaram-se áreas que aboliram o sistema de propriedade privada junto com o fim da guerra. Turbulência semelhante abalou todos os estados coloniais e nações do mundo, incluindo África, América do Sul e Ásia.

Vejamos apenas a situação no Leste Asiático, da região adjacente a Mianmar. Um estado operário foi estabelecido na parte norte da Península Coreana, e a parte sul do país ocupada pelo imperialismo dos EUA entrou em uma guerra civil, que acabou se transformando em uma guerra total entre 1950 e 1953. A Segunda Guerra, a Guerra Civil entre o Partido Comunista Chinês e o Kuomintang, tinham chegado ao fim. Apesar do total apoio das forças aliadas, o Kuomintang pró-imperialista e antipopular foi finalmente derrotado em 1949, e o vitorioso Partido Comunista Chinês declarou o estabelecimento da República Popular da China. O povo do “Vietnã, Laos e Camboja” da Indochina também apoiou o socialismo como uma alternativa para a libertação da opressão imperial e da exploração capitalista. O Partido Comunista Vietnamita derrotou a França, que queria ser novamente o chefe imperialista, e libertou o Norte do país. A guerra se estendeu por todo o Vietnã devido à participação americana, mas o imperialismo americano sofreu uma derrota humilhante e todo o Vietnã se tornou um estado operário sem capitalistas. O Laos e o Camboja também foram estabelecidos como 'estados operários deformados' com “baixa produtividade, com pequenas concentrações da classe trabalhadora, governança antidemocrática e tirânica das burocracias, mas com a eliminação da propriedade privada”.

A Holanda imperialista não pôde retornar à sua ex-colônia da Indonésia desde o fim da guerra. Em parte devido ao controle dos EUA, mas a resistência antiimperialista, que cresceu muito, foi a causa mais importante. O Partido Comunista Indonésio, que representa as forças anti-imperialistas, tinha 3 milhões de membros na década de 1960. Para manter a Indonésia dentro da estrutura capitalista em 1965 foi necessário um sangrento golpe anticomunista, pró-capitalista e pró-imperialista. O golpe levou ao massacre de centenas de milhares de pessoas. O poderoso Partido Comunista da Indonésia foi terrivelmente derrotado. Essa derrota foi o resultado da linha stalinista de cooperação entre as classe sociais inimigas.


As mudanças no eixo do conflito desde o fim da Segunda Guerra

Após a vitória da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos, que conquistaram a hegemonia mundial, tornaram-se o pilar do capitalismo global. Para apoiar o conturbado sistema capitalista mundial, os Estados Unidos reconstruíram os inimigos de ontem operando planos como o Plano Marshall e outros. A primeira prioridade era re-estabilizar a represa capitalista, que estava rachando aqui e ali devido à luta de libertação nacional e ao estabelecimento de estados operários.

O mesmo acontecia com Mianmar. O imperialismo teve que amarrar o país inteiro como uma neocolônia capitalista. Para fazer isso, o governo teve que subjugar a classe trabalhadora e os camponeses de Mianmar, que exigiam "redistribuição de terras, independência completa do imperialismo, nacionalização dos ativos imperiais e independência das minorias", e teve que subjugar também ao Partido Comunista e as forças políticas minoritárias. Esta era uma meta difícil de alcançar sem a ajuda das forças locais.

Os trabalhadores em Mianmar, liderados pelo Partido Comunista e grupos étnicos minoritários, de um lado, e as forças nativas imperialistas e pró-capitalistas tentando amarrá-la como áreas de superexploração, de outro, eram contradições hostis irreconciliáveis. Essas duas direções de pressão levaram a sociedade de Mianmar aos extremos desde o fim da guerra, resultando na rápida polarização das forças políticas.


A colaboração de classes internacional da direção stalinista

Antes do fim da guerra, a maioria das forças envolvidas no movimento de libertação nacional de Mianmar juntou-se à Liga da Liberdade Popular Antifascista (AFPFL), fundada em 1944. O termo fascismo era usado principalmente para se referir a "Alemanha" e " Japão." Especialmente após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, para a liderança soviética, que teve que lutar contra a Alemanha na frente ocidental e o Japão no sudeste. Vencer a guerra contra os dois era o mais importante. Desnecessário dizer que a defesa soviética era uma prioridade da revolução socialista internacional. Mas a forma de fazê-lo era um problema. A burocracia stalinista, cuja visão se tornou extremamente estreita em face da ameaça imediata, perdeu as perspectivas de longo prazo e internacionais.

A política não marxista e de curto alcance foi superada. Eles diferenciaram o “imperialismo amigável” do imperialismo “beligerante fascista” e chamaram a aliança com o imperialismo britânico, francês e americano. Esta foi uma extensão da política interna para unir os "capitalistas nacionais" e a "frente popular" contra o fascismo. As lutas de classes em cada país foram restringidas e arquivadas pela 'luta antifascista'. Era a defesa da chamada estratégia de frente popular de colaboração de classes, e essa estratégia catastrófica tinha como guia o Comintern. A burocracia stalinista, que lutava para não se enfrentar contra o imperialismo dos Aliados, acabou dissolvendo a direção comunista mundial, o Comintern, em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial.


A política confusa do Partido Comunista de Mianmar

Essa linha confundiu os trabalhadores e comunistas nas colônias britânicas, francesas e americanas e dividiu o partido comunista local. O mesmo aconteceu com a colônia britânica de Mianmar na época da Segunda Guerra Mundial. De acordo com as diretrizes do Comintern, os trabalhadores de Mianmar tinham que formar uma aliança com o invasor imperialista Grã-Bretanha, que havia levado Mianmar ao desastre, e lutar contra o Japão.

Foi só em 1943 que o líder comunista da “bandeira vermelha” Thakin Soe escapou dessa confusão e disse que “a aliança com a Grã-Bretanha deveria ser completamente rejeitada porque o imperialismo britânico também é fascismo”. Aos olhos do povo de Mianmar, a confusão poderia ter sido varrida para baixo do tapete entre 1943 e 1945, quando o Japão se tornou um claro invasor de Mianmar. No entanto, a confusão da colaboração de classes recomeçou quando a Grã-Bretanha, que venceu a guerra em 1945, voltou e insistiu em restaurar sua ex-colônia. Essa política caótica unia comunistas e trabalhadores na ilusão de que 'trabalhadores e comunistas' poderiam ter “capitalistas aliados” e “imperialismo amigável”. Assim foi prejudicada a 'época áurea' da resistência e dispersada uma valiosa energia. Isso resultou na especificidade de que o Partido Comunista de “bandeira branca” e partes do Partido Socialista permaneceram na AFPFL.


Polarização política e guerra civil em Mianmar

O Partido Comunista de bandeira vermelha, mais radical, resistiu imediatamente às intenções imperialistas britânicas e americanas e recusou-se a participar na AFPFL, uma organização pró-imperialista e pró-capitalista, e lançou uma luta anti-britânica em fevereiro de 1946. O Partido Comunista de bandeira branca, sob a liderança de Thakin Than Tun acusou a bandeira vermelha de "aventureirismo de esquerda" e permaneceu na AFPFL para manter a Frente Popular. No entanto, eles não conseguiram resistir à ofensiva anticomunista cada vez mais intensa e acabaram sendo expulsos. Eles se juntaram à luta armada anti-U Nu em março de 1948. Quando o regime da AFPFL se aliou à ONU na guerra da Coréia de 1950, a ala esquerda do Partido Socialista também se retirou da AFPFL. As minorias que se recusaram a ingressar no Estado da Federação da Birmânia aderiram à luta armada em 1949.


Da esquerda para a direita: Camarada do Povo, Presidente Bo Tun Lwin; 
Thakin Than Tun, presidente do Partido Comunista da Birmânia; Thakin Soe, secretário-geral do Partido Comunista (Birmânia)

Guerra civil de classes estourou em todo Mianmar. Entre 1949 e 1952, o Partido Comunista da Birmânia e rebeldes de minorias étnicas controlaram dois terços de Mianmar. Os governos de U Nu e Ne Win foram liquidados por essa onda. Eles ficaram isolados na capital, Rangoon, no extremo sul de Mianmar. Como na Coreia do Sul, foi apenas com a ajuda militar das forças imperialistas centradas nos EUA que conseguiram não perder a guerra.


Os Liberais e a Extrema Direita:
'Dois chifres saindo da mesma cabeça'

Ne Win teve uma rápida ascensão depois que um grande número de soldados birmaneses, incluindo altos comandantes militares, se juntaram a rebeldes comunistas e as minorias étnicas. Em 1949, depois de perder grande parte de Mianmar, Ne Win tornou-se comandante-chefe do Exército birmanês e, mais tarde, tornou-se vice-primeiro-ministro do Ministério da Defesa Nacional e do Interior.

U Nu e Ne Win são duas facções da classe dominante pró-capitalista de Mianmar. Os dois têm algo em comum: forças políticas mercenárias anti-nacionais que existem através do patrocínio imperialista. Mas U Nu (mais tarde Aung San Suu Kyi) expressa uma atitude liberal e Ne Win expressa uma atitude despótica. Fenomenalmente, os dois parecem estar em desacordo. Em essência, porém, esses dois são dois chifres que brotam da mesma cabeça. Esses dois compartilham a defesa dos interesses fundamentais do capitalismo. As duas alas são apenas duas expressões faciais da classe dominante, assim como uma pessoa tem diferentes expressões faciais em diferentes momentos de estabilidade e crise.

U Nu expressa um grupo de capitalistas que evitam extremos e querem estabilidade. Em termos da Coréia do Sul, pode-se inferir ao Hanmindang (Partido Democrático Coreano) logo após a libertação e ao Partido Democrata depois disso. Ne Win, por outro lado, expressa um grupo de capitalistas em crise extrema. É a direção da ação dessa força para esmagar incondicionalmente aqueles que ameaçam seus modos de vida. Em termos da Coreia do Sul, pode-se inferir ao Jayudang (Partido da Liberdade), à ​​ditadura militar e às atuais forças políticas de extrema direita, que costumavam ser gângsteres políticos imprudentes como o Northwest Youth Corps logo após a libertação.


A ditadura militar e
m defesa do capitalismo

A popularidade das forças armadas de Ne Win é apavorante porque tem suprimido de forma sangrenta a classe trabalhadora, os camponeses e as minorias em Mianmar que querem “a libertação do imperialismo, a redistribuição de terras e a independência das minorias”. Assim, forças políticas militares como Ne Win sofrem derrotas esmagadoras nas eleições. O desempenho dos militares nas eleições gerais de 1960, 1990 e 2015 foi desastroso, apesar do fato de dominar quase todas as instituições públicas, incluindo política, economia, governo, forças armadas, mídia e educação, e realizar eleições em condições favoráveis.

No entanto, por que o regime militar ainda continua em Mianmar? Isso porque o sistema capitalista de Mianmar não consegue suportar com uma só medida de democratização. Isso é assim porque a democracia, funciona como se a válvula de uma panela elétrica de arroz aquecida fosse aberta, as demandas dos trabalhadores que haviam sido reprimidos iriam para o espaço aberto, imediatamente colocando o capitalismo de Mianmar em crise. Independentemente do golpe, é a sociedade de Mianmar que frequentemente realiza o fechamento de universidades e o massacre de civis. Golpes em 1958 e 1962 e 1988 e 2021 apenas expressam extrema instabilidade no sistema capitalista de Mianmar.

Depois da 'Revolução' democrática de 19 de abril de 1960 na Coréia do Sul, movimentos trabalhistas e movimentos de unificação saíram as praças e ruas, e o sistema capitalista neocolonial sul-coreano entrou imediatamente em crise. O golpe de 16 de maio de Park foi um primeiro socorro à crise. O golpe egípcio de 2013 é uma analogia semelhante. A Revolução Egípcia de 2012 derrubou Mubarak, um ditador militar de longa data. A classe trabalhadora egípcia foi despertou e sistemática e conscientemente deu um salto para a frente. O sistema de superexploração do Egito está em crise.

Na ordem capitalista global, a classe dominante não tem medo de "governos civis" incompetentes e reacionários, como Yoon Bo-sun em 1960, o governo de Choi Kyu-ha em 1979 na Coreia do Sul e o governo da Irmandade Muçulmana em 2012 no Egito. O que eles realmente temem é o despertar da consciência organizativa da classe trabalhadora que irrompeu no espaço aberto. Isso porque o socialismo está chegando logo após a porta do despertar.

Internacionalmente, Mianmar é adjacente a estados operários deformados. E, internamente, houve uma guerra civil de décadas com o Partido Comunista e os rebeldes das minorias étnicas. Os protestos que colocaram a vida dos manifestantes em risco continuam devido às suas vidas miseráveis. Este sistema capitalista de Mianmar é incapaz permitir até mesmo um nível muito pequeno de democracia. A este respeito, as chamadas forças políticas liberais como U Nu ou Aung San Suu Kyi, que são parcialmente pacifistas e parecem ceder aos trabalhadores, sempre foram pouco fiáveis. Além disso, os militares cresceram como um monstro, monopolizando vários interesses durante seu longo reinado. Como um inimigo público, eles ficarão horrorizados com uma ligeira mudança de poder ou concessão.


O Golpe de Ne Win e o “Socialismo Birmanês”

Em outubro de 1958, os militares de Ne Win tomaram o poder ameaçando o liberal U Nu. Para eles, 
não era confiável a atitude de Nu em relação ao Partido Comunista e aos rebeldes das minorias. Enquanto isso, os militares fizeram vários dispositivos a seu favor e realizaram eleições gerais em 1960. Mas os militares perderam as eleições gerais e o deposto U Nu saiu vitorioso. Foi devido ao profundo medo e antipatia da sociedade de Mianmar em relação aos militares, que executaram violentos regimes anti-povo. Em 2 de março de 1962, Ne Win novamente encenou um golpe para dissolver o parlamento e aprisionar U Nu.

Após o golpe, os militares de Ne Win de repente defendem o "socialismo". Os mesmo que perseguiam e seguiriam perseguindo as tendências socialistas da classe trabalhadora e reprimiam brutalmente o Partido Comunista e as minorias. Em 4 de julho, os militares criaram seu próprio partido. O nome do partido era “Partido Socialista do Planejamento da Birmânia”. O partido não foi bem recebido pela classe trabalhadora. Em 7 de julho, três dias após sua fundação, um estudante da Universidade de Rangoon fez um protesto denunciando o golpe e exigindo a restauração da democracia. Ne Win liberou tropas para a faculdade e matou centenas.

Doze anos depois, em 4 de janeiro de 1974, o país foi rebatizado como República Socialista da União da Birmânia. Embora "socialismo" tenha sido colocado no nome nacional, trabalhadores e estudantes não tinham esperança de "socialismo" pelos militares de Ne Win. Os trabalhadores de Mianmar estavam morrendo de fome. Em maio daquele ano, os trabalhadores que reclamaram da falta de alimentos entraram em greve primeiro. Os estudantes responderam à greve com protestos. Os protestos continuaram até o final de dezembro. Os militares de Ne Win tiveram que matar centenas de trabalhadores e estudantes por seu "socialismo".

O governo chinês, que apoiava o Partido Comunista de bandeira branca na época, parece já ter reconhecido a identidade do “socialismo” militar de Ne Win. O embaixador chinês em Mianmar disse em 1967 

"O governo de Mianmar é uma ditadura de um partido militar agindo como uma burguesia ... Os militares, liderados por Ne Win, são uma força-chave entre a burguesia de Mianmar, relatando que o socialismo de Mianmar é um capitalismo burocrático que segue o socialismo apenas externamente (A mudança na política externa de Mianmar e sua relação com os principais países.). ”


Antecedentes do “socialismo militar”

Os militares de Ne Win, que suprimiram cruelmente as demandas socialistas, agora inesperadamente surgiram com o “socialismo” para enganar os trabalhadores e as minorias, entre outras coisas. Como a Coréia do Sul logo após a libertação, quase todas as organizações políticas e militares, incluindo o povo de Mianmar antes e depois do fim da guerra, não discordaram muito de que o socialismo é um sistema ideal.

“Além das forças antigovernamentais, os principais políticos e militares do governo, continuando a ideologia do general Aung San, definiram o liberalismo e o capitalismo na Grã-Bretanha como um sistema incompatível, ao mesmo tempo que adotaram o socialismo fabiano após a independência como uma ideologia nacional.” (A mudança na política externa de Mianmar e sua relação com os principais países)

Essa atmosfera a favor do socialismo foi formada durante a luta pela libertação nacional da Grã-Bretanha e do Japão. O povo de Mianmar aprendeu na luta que “a verdadeira libertação do imperialismo deve ser a superação do capitalismo”.

O apoio do povo de Mianmar ao socialismo também foi confirmado pela guerra civil. O Partido Comunista e os grupos armados minoritários eram exércitos de estilo guerrilheiro, e os exércitos de U Nu e Ne Win eram tropas regulares apoiadas pelos Estados Unidos e Grã-Bretanha. No entanto, durante a guerra civil, os governos do liberal U Nu e da extrema direita Ne Win ficaram isolados na cidade portuária de Rangoon. Isso prova que a maioria dos trabalhadores em Mianmar apoiava o Partido Comunista e os rebeldes das minorias étnicas.


A natureza da nacionalização dos militares

Após a declaração enganosa de “socialismo birmanês”, o governo de Ne Win nacionalizou várias indústrias, incluindo mineração, eletricidade, construção e telecomunicações. Sem a participação direta nos lucros do capital privado, uma nacionalização provavelmente será favorável aos trabalhadores, mesmo dentro do sistema capitalista. Mas a nacionalização das forças armadas de Ne Win não foi. A nacionalização era anti-trabalhista e racista, apenas para encher o estômago dos militares e evitar a perturbação do recrutamento de soldados que trabalhavam duro.

Por volta de 1982, a política de nacionalização chegou ao nível mais alto, 38% (A história moderna da Birmânia). Todos os ativos nacionalizados eram administrados pela Associação de Defesa da Birmânia (posteriormente Burma Economic Development Corporation), que consiste em soldados titulares e aposentados. Os ativos eram para o “bem-estar” dos militares, não para o bem-estar do povo. Os militares não apenas lucraram com várias indústrias, mas também usaram o orçamento nacional para seus próprios dispositivos.

“A Organização Mundial da Saúde afirma que um em cada 29 adultos birmaneses está infectado com o HIV. O número de mortes por malária é ainda maior, com 700.000 relatados em 2004. Enquanto a junta militar da Birmânia despejou a maior parte de seu orçamento nacional nas forças armadas, os gastos para o combate a AIDS em 2004 foram de apenas US $ 22.000. A Birmânia alocou 3 por cento de seu orçamento nacional para saúde e 8 por cento para educação, enquanto gasta 50 por cento com os militares.” (Aung San Suu Kyi e o exército birmanês, Bertil Lintner)

E os ativos estatais de Mianmar foram criados principalmente por meio de saques racistas. Após a libertação, os bens de indianos, paquistaneses e muçulmanos no oeste de Mianmar foram saqueados pelos militares. Mais de 100.000 pessoas fugiram de Mianmar entre 1964 e 1966 para escapar de graves saques e opressão racial. Essa segregação e supressão das minorias étnicas são os principais meios do governo capitalista de Mianmar. Em 1978, 350.000 pessoas se mudaram para Bangladesh devido à repressão aos muçulmanos no oeste de Mianmar. Em 2012, houve o genocídio Rohingya e a migração em massa. A supressão e o saque de minorias étnicas têm implicações políticas semelhantes à loucura nazista sobre conflitos de classe domésticos e pilhagem de ativos judeus ao instigar o frenesi anti-semita antes e depois da Segunda Guerra Mundial.


A transformação da Junta Militar em uma Máfia

Nesse processo, o exército converteu-se em uma máfia. Os militares de Mianmar assumiram o controle não apenas das forças armadas, mas também da polícia e das agências de inteligência, monopolizaram a política e todas as instituições da economia, incluindo a corporação estatal. A educação, os escritórios do governo e a mídia também são dominados por militares. Embora seja um fenômeno um pouco periférico, mas os militares de Mianmar também têm uma conexão profunda com o cultivo e a venda de drogas.

O número combinado de soldados e suas famílias é de cerca de 400.000 e o número total de trabalhadores a serviço dos ditadores militares e pessoal relacionado é de aproximadamente 2 milhões. Esta é a casta privilegiada de Mianmar. Existem escolas e hospitais separados que só os militares usam, e existem lojas especiais apenas para os militares. A polícia não pode reprimir os militares, mesmo que eles violem as leis de trânsito.


A nova capital dos militares

Than Shwe, governou como ditador militar por três mandatos [1992-2011], após expurgar Ne Win, o velho ditador, e Kinyun, um segundo no comando da defesa e inteligência. 
Than Shwe assumiu o controle da máfia militar. Em 2005, Than Shwe levou a capital do país para o interior, para Naypyitaw, a 400 quilômetros da antiga capital, Yangon. Naypyitaw é uma cidadela isolada do mundo exterior que mesmo diplomatas dos outros paises não podem acessar facilmente. A cidade foi construída exclusivamente para as famílias militares, deixando de fora todos os moradores existentes. A cidade militar, construída em uma área remota longe da capital então existente, Yangon (Rangoon), onde reside a maioria da população de Mianmar, deveria, entre outras coisas, ficar distante do perigo de frequentes levantes em massa. Como visto nos protestos agora, os soldados que vivem longe dos civis consideram os cidadãos como se fossem pessoas de outro país. Eles se sentem menos culpados durante os massacres. Há relatos de que algumas tropas de choque, incluindo policiais, se juntarem aos manifestantes, mas são muito raros relatos desse tipo entre os soldados. Famílias de soldados que vivem em Naypyitaw, desfrutando de vários privilégios, também servem como reféns para as tropas de contenção de distúrbios.

Estátuas dos 3 reis em Naypytaw

Naypyitaw significa “casa dos reis” em Mianmar. Os militares de Mianmar sempre blefam que herdaram a luta de libertação nacional de Aung San e até almejam o "socialismo". No entanto, as três estátuas gigantes construídas no vasto campo de treinamento de Naypyitaw não são nem Aung San nem Marx. Três grandes estátuas examinando os militares são reis medievais que lutaram contra países vizinhos e expandiram muito o Reino de Mianmar.


A era do neo colonialismo

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, o domínio colonial direto do imperialismo quase desapareceu e mudou para o domínio indireto, ou “neo-colônia”, usando fantoches locais. Não porque a ganância do imperialismo tenha diminuído. Isso ocorre porque o ambiente político mudou.

“Depois da Segunda Guerra Mundial, as lutas pela libertação nacional foram intensificadas por duas causas. Uma é o crescimento da classe trabalhadora nas colônias como resultado da capitalização iniciada pelo imperialismo. A outra é o enfraquecimento das ex-potências imperialistas nas colônias pela guerra total entre os imperialistas. O crescimento da classe trabalhadora tornou difícil o domínio imperialista direto. O governo direto por imperialistas estrangeiros expôs a divisão total da sociedade perante os trabalhadores. Assim, as formas de governar as colônias mudaram do governo direto para o indireto, usando as elites governantes nativas e os capitalistas compradores como agentes imperialistas domésticos, para evitar lutas diretas e ferozes contra o imperialismo.” (Irã, Nacionalismo, Imperialismo, Grupo Bolchevique, 2018)

Ditaduras militares são comuns no “3º Mundo” das Neo Colônias. São responsáveis por proteger o capital financeiro imperialista investido na região e escoltar com segurança superlucros e saquear recursos para o país de origem imperialista. As ditaduras militares do Terceiro Mundo cumprem efetivamente a tarefa de subjugar o movimento de libertação nacional antiimperialista, que se intensificou logo após a Segunda Guerra Mundial. Elas efetivamente suprimem o despertar da classe trabalhadora local em combinação com o comunismo e seu progresso em direção às lutas anti-imperialistas e anti-capitalistas.

Até a década de 1980, os golpes eram frequentes em muitos países, incluindo América do Sul, África e Ásia, que eram governados por ditaduras militares. Mesmo agora, a Tailândia, o Egito e a Indonésia estão no poder militar ou têm um poder forte. Os militares agem como um cão de guarda anticomunista. Quanto mais difícil é a missão de caçar, mais desejados são os cães e mais gananciosas eles ficam. Como tal, as forças armadas coloniais do Terceiro Mundo também gozam de riqueza junto com o poder que exercem e possuem uma autonomia relativa considerável nesses regimes.

Em 2013, um ano após a saída do ditador Mubarak que passou três décadas no poder, devido à “Primavera Árabe”, um golpe estourou novamente no Egito. Naquela época, Al-Sisi, o ministro da defesa e comandante-chefe do governo da Irmandade Muçulmana, realizou um Golpe de Estado para estrangular a “Primavera Árabe”. Os militares, que estão de volta ao poder, também têm grandes corporações. De acordo com o poder econômico do cimento das Forças Armadas do Egito, As Forças Armadas do Egito são conhecidas por controlar mais de 20% do PIB.

Após o golpe de Suharto em 1961, os militares indonésios também passaram a ter quase todos os setores sociais, incluindo agências governamentais, empresas, parlamento e embaixadas estrangeiras. Esse fenômeno recebeu o nome de “dwifungsi”. Também é bem sabido que os ditadores militares Park Chung-hee, Chun Doo-hwan e Roh Tae-woo, que ascenderam na Coreia do Sul [1963-1993], acumularam recursos astronômicos. Os ativos que eles acumularam em atividades ilegais ainda não foram recuperados.

Mianmar e Coréia do Sul têm histórias modernas semelhantes e diferentes. A diferença é analisada pela The Burmese Modern History:

“Os Estados Unidos, que emergiram como guardiões do mundo capitalista após a guerra, estenderam sua influência à Coreia do Sul e Birmânia em nome do Japão e da Grã-Bretanha, mas intervieram muito mais profundamente no primeiro porque a Coreia do Sul era um centro estratégico voltado para a China e a União Soviética e um ponto-chave na defesa do Japão. A Coreia do Sul foi importante na estratégia global dos EUA. Quanto à Birmânia, seu governo que é basicamente anticomunista, forneceu apenas uma pequena quantidade de ajuda militar, a menos que houvesse o risco de perder uma guerra civil com rebeldes comunistas ou minorias étnicas. Portanto, o governo birmanês gozava de relativa autonomia na formulação de políticas ”.


A Resistência do povo em Mianmar

Mianmar sofreu com a opressão dupla interminável da superexploração do imperialismo e da ditadura militar. As pessoas em Mianmar, incluindo as minorias étnicas, são forçadas a seguir sob condições de vida terríveis. Esta é a causa da resistência frequentemente alcançar níveis violentos. O movimento estudantil ainda desempenha um grande papel nessa resistência. Como na Coreia do Sul até as décadas de 1980 e 1990, os alunos desempenham um papel de liderança política em uma sociedade com uma proporção relativamente alta de agricultura e uma baixa proporção de classe trabalhadora.

Houve uma reforma cambial surpresa em setembro de 1987. As reclamações do povo de Mianmar, que já sofriam com dificuldades de vida, explodiram, levando a protestos estudantis em todo o país. Como de costume, os militares responderam reprimindo, assassinando, prendendo e fechando universidades. Em março de 1988, os protestos liderados por estudantes recomeçaram. A lei marcial foi declarada em 3 de agosto. Em 8 de agosto, protestos massivos estouraram em Mianmar e os militares dispararam contra a multidão. Milhares de pessoas morreram. Mas os protestos não diminuíram. Em 18 de setembro, ocorreu um auto-golpe. Foi anunciado que Ne Win e outros deixariam o poder e seria realizadas eleições gerais. Assemelham-se à “Declaração 6.29” de Roh Tae-woo, que sucumbiu à Grande Luta de Junho, mas a enganou ao mesmo tempo.


A Liga Nacional para a Democracia
(NLD) e Aung San Suu Kyi

Em 24 de setembro, a Liga Nacional para a Democracia (NLD) foi formada por Aungji e Wu Tin-u, que eram membros da ditadura militar e se tornaram presidente e vice-presidente. Aung San Suu Kyi, que estava retornando a Mianmar para cuidar de sua mãe, foi nomeada secretária-geral. Ela é filha do lendário herói Aung San.

Em 27 de maio de 1990, as eleições gerais realizaram-se  pela primeira vez em 30 anos, 
registraram-se para concorrer 93 partidos políticos e foram organizadas em favor dos militares. No entanto, o NLD venceu de forma esmagadora. Ganhou 392 dos 492 assentos. Foi o resultado de medir a extensão da desilusão de Mianmar com a ditadura militar. Surpresos, os militares negaram o resultado e prenderam a vencedora. Aung San Suu Kyi foi posta em prisão domiciliar.

Aung San Suu Kyi e o NLD são a cristalização do rechaço contra a ditadura militar. Sob uma longa ditadura militar, as alternativas reais, incluindo o Partido Comunista, foram obstinadamente sufocadas. Assim, o NLD tornou-se o único substituto para a ditadura militar remanescente em Mianmar. No entanto, o NLD é apenas uma das duas cartas do capitalismo e não atende às aspirações do povo de Mianmar. Aung San Suu Kyi não se mostrou em si mesma como uma política significativamente defensora da população, além do fato de que ela é uma opositora aos militares. Ela até simpatizou com os militares durante a repressão a Rohingya.

Assim como o Partido Democrático da Coreia do Sul, o NLD de Mianmar atua como uma cortina de fumaça para alternativas reais. É apenas mais um unguento capitalista aplicado às feridas causadas pelo capitalismo. Os vigaristas “democratas” como o NLD desempenham um papel na dispersão da energia da resistência que quer a democracia real e ganhando tempo até que o calor esfrie.

A classe trabalhadora de Mianmar pode lutar ao lado do NLD na luta pela democracia sob a ditadura dos rebeldes. Mas eles são trapaceiros, não alternativas reais. Ativistas avançados que representam a classe trabalhadora de Mianmar devem construir suas próprias alternativas socialistas.


Internacionalismo da classe trabalhadora X Stalinismo

O marxismo analisa o sistema capitalista e vê a revolução socialista em um macro-tempo e espaço, ou nível “histórico e global”. De uma perspectiva internacional, projeta e apóia a revolução socialista e a luta de libertação nacional da classe trabalhadora local. O stalinismo, por outro lado, é sufocado pela ameaça imediata do imperialismo e perde sua perspectiva de longo prazo e internacional. Os stalinistas estão assustados com uma perspectiva mais restrita e presos em uma perspectiva nacional. Eles só estão interessados ​​nos interesses de seu próprio país, que está na cara deles.

Quando o fascismo alemão chegou ao poder, pouco antes da Segunda Guerra Mundial, a burocracia stalinista soviética 
assustada colocou a defesa da pátria a frente dos demais valores. Assim, em troca da cooperação com o imperialismo britânico e francês, eles pagaram pela “revolução mundial dos trabalhadores e internacionalismo”. O fascismo é apenas uma das faces do capitalismo e do imperialismo. É apenas uma convulsão do capitalismo em crise. No entanto, os stalinistas buscaram uma aliança com “capitalistas democráticos / nacionalistas” e com o “imperialismo amigável”, dizendo combater contra o fenômeno capitalista do fascismo. Esta é a "frente popular antifascista" de colaboração de classe.

Sob a direção da burocracia soviética, o Comintern repetiu essa política de forma sintomática. Um motorista desajeitado, que não conhecia a estrada, reagiu em zigue-zague como se estivesse correndo ao redor do volante. Em 1926-8, eles conduziram a Revolução Chinesa e a Greve Geral Britânica ao desastre com o colaboracionismo de classe, incluindo a dissolução do Partido Comunista Chinês no Kuomintang e a manutenção de uma frente única acrítica com os sindicatos britânicos. Então, eles repentinamente adotaram a política do “terceiro período” ultra-esquerdista que dizia: “Uma revolução comunista é iminente, então não há necessidade de estabelecer compromissos com o reformismo”. Eles chamaram o Partido Social Democrata de “social fascismo” e rejeitaram uma frente única antifascista com a fração reformista da classe trabalhadora. Nesse ínterim, o nazista Hitler chegou ao poder. O Comintern stalinista surpreso voltou a recuar. Agora, eles rapidamente giraram o volante para a direita e apelaram para uma frente única antifascista de colaboração de classes.


O Conflito Sino-Soviético

Os estados operários que aboliram a propriedade privada não viveram a mesma situação. As circunstâncias de cada país são diferentes. Portanto, se a orientação política de cada um estiver presa a uma perspectiva nacional, haverá conflitos entre eles. O conflito sino-soviético teve uma consequência desastrosa.

As circunstâncias da URSS: 'Quando o imperialismo Alemão e Japonês invadiram, a classe trabalhadora defenderam seu país com todas as suas forças. Assim, a União Soviética foi capaz de vencer a Segunda Guerra Mundial. No entanto, foi sob um grande sacrifício, tanto pessoal quanto fisicamente. A União Soviética lutou ao lado dos Estados Unidos, testemunhando o formidável poder econômico e militar do imperialismo americano. Imediatamente após o fim da guerra, o imperialismo dos EUA imediatamente deu início às hostilidades anti-soviéticas, mas demorou para os burocratas soviéticos romperem com seus velhas concepções. Eles também assumiram uma postura defensiva na guerra que se aproximava na Península Coreana. Stalin morreu em 1953. O regime de Khrushchev, que representa a burocracia stalinista pós-soviética, encenou uma “campanha anti-Stalin” para sua sobrevivência. Era para livrar-se dos pecados do tempo de Stalin (ver 흐루 쇼프 의 비밀 연설 과 스탈린 주의 O discurso secreto de Khrushchev e o estalinismo) tentando evitar um confronto agudo com o imperialismo. A ilusão de que poderia coexistir com o imperialismo através do desarmamento ou acordos de paz tornou-se a linha política da URSS.

As Circunstância da China: 'Em 1949, o Partido Comunista Chinês derrotou o Kuomintang após uma guerra civil. A República Popular da China foi criada. Mas o imperialismo norte-americano e a ofensiva do Kuomiontang para sufocar a recém-nascida China não pararam. Levantes apoiados pelos EUA foram frequentes na fronteira com Mianmar e no Tibete. A guerra estourou na Península Coreana em 1950. Surgiu um descontentamento chinês com com a posição defensiva da União Soviética nesta guerra. Sofrendo as provocações militares imperialistas, a União Soviética reage e dá um passo além propondo uma “linha de coexistência pacífica”. A URSS pressionou a China para melhorar as relações com os EUA, que são um forte oponente da China. Depois disso, Stalin, que era conhecido como o mentor de Mao Zedong e um apoiador heróico do Partido Comunista da China, caiu em desgraça na história da URSS após a ascensão de Krushov. Isso foi um insulto a Mao e ao PCCh.

Nessas circunstâncias, o conflito entre os dois países se intensificou. As conversas entre Mao Zedong e Khrushchev, que visitou a China em 1959, foram as últimas. O internacionalismo operário, ou a ideia de “unidade 
internacional dos trabalhadores”, foi praticamente descartada pelos líderes stalinistas de ambos os países. A União Soviética surpreendentemente apoiou a Índia na disputa de fronteira sino-indiana de 1962. Em 1969, o conflito armado eclodiu na fronteira sino-soviética. Em 1972, Mao convidou Nixon, dos Estados Unidos, para uma conversa amigável. Juntou-se ao bloqueio anti-soviético do imperialismo americano. Em 1978, o Vietnã pró-soviético invadiu o Camboja pró-China. Em 1979, a China invadiu o Vietnã. Na década de 1980, a União Soviética foi atormentada por rebeldes no Afeganistão. A China, junto com os Estados Unidos, treinou e apoiou os rebeldes Mujahideen afegãos.

O conflito sino-soviético não parou até o colapso da União Soviética em 1991. Esta luta de longa data entre os estados operários desorganizou severamente a classe trabalhadora mundial. Isso dividiu e desmoralizou a classe. Os inimigos de classe zombaram do “internacionalismo operário”.


A Política 
da China para Mianmar 

As políticas da China e da União Soviética, que estavam empenhadas em aumentar sua influência, não importa sob quem sejam, continuaram em Mianmar. “Quem quer que fosse” competiram entre si para ganhar o favor do regime de Mianmar. Ofereceram boas condições um ao outro e pediram para estar ao seu lado. Para os militares de Mianmar, não apenas os Estados Unidos, Grã-Bretanha e Japão, mas também a União Soviética e a China oferecem presentes e os tratam com generosidade. Era a melhor situação para os militares anticomunistas de Mianmar, que haviam sido contaminados por vários crimes, incluindo o massacre de civis.

Embora a propriedade privada tenha sido abolida, o nível de produtividade da China estava muito atrasado. A pobreza não pode ser removida com esse nível de produtividade. Nesse caso, a economia planejada não pode ser mantida sem problemas e até mesmo o poder do Estado corre risco. A cooperação econômica com a União Soviética foi rompida. A China abriu um mercado para o Ocidente. A China teve que resolver seus problemas econômicos com a introdução de tecnologia avançada.

Mianmar também é um país muito importante para a China. É muito mais econômico se os suprimentos vindos da África e da Europa passarem por Mianmar [através do Oceano Índico]. Além disso, Mianmar está um pouco mais livre do bloqueio norte-americano sobre a China. O volume de comércio entre a China e Mianmar também é significativo. Por causa dessas considerações geopolíticas, a China valoriza Mianmar. Seja quem for, o regime chinês busca estabelecer relações amigáveis ​​com o regime de Mianmar.

Enquanto isso, o PCCh apoiou o Partido Comunista da Birmânia, especialmente a bandeira branca, que manteve uma linha de colaboração de classes. Mas a relação triangular não foi tranquila devido à necessidade de melhorar as relações com os militares governantes de Mianmar. O apoio do governo chinês ao Partido Comunista Birmanês tornou-se cada vez mais passivo e secreto. Em 1979, a China também anunciou publicamente que deixaria de apoiar o Partido Comunista Birmanês com a condição de que os militares de Mianmar não formassem alianças militares com a União Soviética e os Estados Unidos.

Thakin Ba Thein Tin e Mao Zedong

Os movimentos comunistas birmaneses foram gradualmente reduzidos devido às operações de longa data dos militares de Mianmar combinadas com imperialismo, isolamento, divisões internacionais e divisões internas. No início da década de 1990, quando a União Soviética e o Bloco Oriental entraram em colapso, eles estavam quase extintos. O governo comunista da China não se sente confortável com os comunistas de Mianmar desde os anos 1980. O regime do PCCh ofereceu asilo aos comunistas birmaneses. Ao garantir moradia e subsistência na China, foi uma proposta com condições humilhantes o abandono de qualquer atividade política. Para estabilizar as rotas comerciais com Mianmar no início de 1989, a China novamente propõe a "aposentadoria" do PC birmanês. O Partido Comunista da Birmânia juntou-se a jovens que escaparam da opressão militar não apenas durante a luta de libertação nacional, mas também durante a guerra civil desde o fim da guerra e durante os tempos turbulentos dentro de Mianmar, incluindo a Grande Luta de 1988. Os combatentes comunistas seniores da época da luta de libertação nacional devotaram suas vidas a quase 50 anos de luta. Em fevereiro de 1989, durante uma reunião de emergência para revisar as propostas de aposentadoria do PCCh, o chefe do Partido Comunista de 75 anos, Thakin Ba Thein Tin, criticou a China pela primeira vez. A decepção e humilhação não poderiam ter sido toleradas (A ascensão e queda do partido comunista da Birmânia).


Mianmar e a esquerda

A Coréia do Sul e a maior parte da esquerda internacional se opõem ao golpe militar. Claro, a maioria nem sempre está certa. No caso dos protestos de Hong Kong e dos protestos na Bielorússia, que foram temas quentes em 2019 e 2020, a maioria apoiou os chamados protestos pela “democracia”. Ambos os protestos foram reacionários, mas a maioria dos “esquerdistas” apoiaram os protestos “democráticos” em Hong Kong e Bielo-Rússia e se juntaram às campanhas anti-China e anti-Rússia (ver a posição do Grupo Bolchevique em Hong Kong e Bielo - Rússia). Mas, como explicam a declaração de 10 de março sobre Mianmar e este artigo, apoiamos os manifestantes que lutam por suas vidas para derrubar os militares reacionários.

A este respeito, a posição de “apoio ao golpe dos militares de Mianmar” por 'Minplus e a' Época 4.27 ', que estão na chamado 'Grupo NL', é bastante chocante. Enquanto isso, a postura do Partido Revolucionário dos Trabalhadores criticando-os é também terrível, mas em outro sentido. Todas essas organizações de esquerda percebem a relação dos militares de Mianmar com a China e os Estados Unidos de forma muito diferente da verdade. Enquanto distorcem os fatos, eles tiram conclusões conflitantes. Ambos são polêmicos, mas é verdade que ambos são prejudiciais para a classe trabalhadora mundial.


1) Minplus e 4.27 Epoch: o apoio dos militares

Os dois meios de comunicação descreveram suas posições sobre Mianmar por meio de vários artigos e vídeos. Os dois são meios de comunicação diferentes, mas os mesmos artigos às vezes são duplicados (Como você vê o golpe em Mianmar? / Uma revisão da situação em Mianmar - só pode ser vista como uma simples demonstração democrática anti-ditatorial?). E outros artigos e vídeos são quase iguais, então os resumimos em um pacote.

"Os militares de Mianmar são uma força anti-imperialista enraizada na luta de libertação nacional anti-japonesa. E os militares são orientados para o socialismo. Os militares de Mianmar mantiveram relações amistosas com a China, embora tenham sido uma pedra no sapato do Ocidente, incluindo os Estados Unidos. Nesse sentido, assemelha-se à Coréia do Norte, que supera a marcha de adversidades sob pressão imperialista. Os protestos são anticomunistas, como em 1988, por trás deles está o imperialismo, inclusive os Estados Unidos. Aung San Suu Kyi é apenas filha biológica de Aung San e é anticomunista e pró-americana."

Anteriormente, explicamos em detalhes a natureza das forças armadas de Mianmar, suas relações com o imperialismo, incluindo os Estados Unidos, e suas relações com a China. Achamos que a explicação já refutou as afirmações de Minplus e a Época 4.27. No entanto, gostaríamos de apresentar mais fatos relacionados. De Um relacionamento delicado: Estados Unidos e exemplo de Burma / Mianmar 1945 2) Escritório do historiador e 3) A mudança na política externa de Mianmar e sua relação com os principais países 


* * *

Em primeiro lugar, este documento oferece uma visão geral da política dos EUA em relação a Mianmar desde o fim da guerra.

“Em outubro de 1949, as opções políticas foram apresentadas ao Secretário de Estado Dean Acheson. O interesse americano na Birmânia era explícito: para evitar a invasão comunista na região, deveria haver um governo estável aliado dos Estados Unidos e da Comunidade Britânica, um governo que pudesse manter a ordem interna, resistir às pressões comunistas externas e reabilitar a sociedade e a economia. Para esse fim, os Estados Unidos devem estar preparados para oferecer assistência financeira e técnica. Deve também fornecer ajuda militar e estimular a formação de um pacto anticomunista regional. Finalmente, os Estados Unidos devem intensificar “o uso dos serviços de inteligência,” step up distribuição de propaganda, e se envolver em “apropriadas ... atividades secretas.” - Um relacionamento delicado, p. 54

Em seguida, este documento mostra que os EUA estão satisfeitos com o golpe sem derramamento de sangue dos militares de Ne Win, que derrubou o governo liberal de U Nu em 1958.

“O Departamento de Estado, no entanto, concluiu que 'no geral, o golpe militar foi uma coisa boa', principalmente por causa de sua postura anticomunista”. (ibid, 172)

Os militares realizaram eleições gerais em 1960, depois de criar condições a seu favor. Mas a vitória de U Nu estava garantida. A avaliação dos EUA sobre isso:

“Em janeiro de 1960, os funcionários da embaixada concluíram que uma vitória de U Nu agora era provável e não se animaram com a perspectiva. Nu provavelmente apaziguaria a China e seria “menos suscetível à influência dos EUA do que Ne Win Govt”. O melhor caminho para os Estados Unidos, sugeriu o novo embaixador William P. Snow, era continuar a manter os canais abertos para o exército. “Este grupo demonstrou uma avaliação realista do perigo que a forte China comunista representa para a Birmânia”, explicou ele, “e disposição para assumir uma posição anticomunista”. (ibid, 172)

Em seguida vem a parte em que os EUA confiam no anticomunismo do exército de Ne Win, que acredita no anticomunismo, temendo uma invasão do comunismo após a reeleição de U Nu.

“Mesmo com o ceticismo em relação a U Nu crescendo, os Estados Unidos queriam fornecer assistência militar adicional porque, como disse Parsons,“ o Exército da Birmânia é o elemento anticomunista organizado mais forte e enérgico para a estabilidade na Birmânia”. No final de dezembro de 1960, os Estados Unidos estavam prontos para propor um programa de assistência militar no valor de US $ 43 milhões, a ser distribuído por quatro anos, com entregas de suprimentos em cinco anos.” (ibid, 183)

Ne Win, ciente das preocupações dos EUA sobre o regime de U Nu, dirigiu-se a eles em um golpe em 2 de março de 1962. Desta vez, U Nu e seu partido não estavam seguros. Eles foram presos e dispersados. Em 19 de março, logo após o golpe, o embaixador dos Estados Unidos enviou o seguinte telegrama ao Departamento de Estado.

“Comecei a ligar para transmitir as saudações do presidente e espero que ele possa visitar Washington no início de julho. Ne Win respondeu que gostaria de vir a Washington e se encontrar com o presidente o mais rápido possível, mas não tenho certeza se poderia sair tão cedo.” (Escritório do Historiador)

Um ano depois do golpe, o governo de Kennedy renovou a confiança no governo de Ne Win, e os Estados Unidos prometem não questionar as violações democráticas e de direitos humanos dos militares de Mianmar.

“Para tanto, o Departamento de Estado queria que o novo embaixador, Henry A. Byroade, que partiu para a Birmânia em 11 de setembro de 1963, expressasse a esperança de Kennedy de encontrar Ne Win pessoalmente. O Departamento de Estado também queria que Byroade garantisse a Ne Win que os Estados Unidos “não ficariam de braços cruzados” se a China atacasse. Nem os Estados Unidos estavam prestes a levantar uma questão sobre a falta de democracia na Birmânia ou suas violações dos direitos humanos ”. (Um relacionamento delicado, 207)

O presidente mudou após o assassinato de Kennedy em 1963, mas a confiança americana nas forças armadas de Mianmar permaneceu a mesma. Aqui está uma ligação do Conselheiro de Segurança Nacional McGeorge Bundy em 13 de maio de 1964.

“Os birmaneses têm sido muito bons em prevenir qualquer infiltração comunista séria”. (Escritório do Historiador)

Enquanto isso, o regime do PCCh quer uma cooperação econômica estável com o governo de Mianmar, não necessariamente uma junta militar. Em 2010, as eleições gerais foram realizadas pela primeira vez em 20 anos desde 1990. Foi uma eleição que permitiu alguma democracia, e o novo governo, que surgiu, foi substituído pelo regime de NLD em 2015. Uma frase que dá uma ideia de os pensamentos do governo chinês nessa época.

“A China apoiou ativamente as eleições gerais e o lançamento do novo governo, mas por trás disso se baseia no pressuposto de que Mianmar não deve ser um obstáculo para a manutenção de um ambiente que impulsiona o desenvolvimento econômico e a hegemonia regional da China. Pelo contrário, a China espera o lançamento de um novo governo para aliviar o fardo diplomático, indo além de um certo nível de crítica internacional - ela tem sido criticada por seus problemas ”. (A mudança na política externa de Mianmar e sua relação com os principais países)


* * *

Esses documentos mostram como a ideia de Minplus e da Época 4.27 'os militares de Mianmar são anti-imperialistas e socialistas'. está longe da verdade. Os militares de Mianmar são um grupo de assassinos anticomunistas semelhantes à ditadura militar que surgiu na Coreia do Sul desde o fim da guerra. Nesse sentido, a percepção do Minplus / 4.27 Epoch é espantosa.

Eles não têm ideia de que os militares de Mianmar estão na ditadura há 58 anos, matando civis. No entanto, eles o apóiam. Diagnosticamos a razão de sua percepção reacionária e anti-operária como segue:

“Essas pessoas têm uma visão stalinista do estado. Em outras palavras, iguale a burocracia ao estado. Portanto, as burocracias em estados operários degenerados / deformados, como a União Soviética, a China e a Coréia do Norte, têm sido defendidas politicamente além da defesa militar. Tem apoiado de forma acrítica e incondicional a direção stalinista. Nesse ínterim, eles justificaram até os atos cruéis, reacionários e antidemocráticos que cometeram contra seu povo. Está enraizado em seus corpos."


2) O Partido Revolucionário dos Trabalhadores (WRP) critica esta posição do "Grupo NL" como um “amigo do imperialismo chinês”

O WRP, que compartilha sua posição com a Revolutionary Community International Tendency (RCIT), publica frequentemente artigos sobre Mianmar no Facebook. No entanto, sem argumentos concretos baseados em fatos objetivos, ele salta e deriva tudo de sua limitada posição anti-chinesa. Como existem vários artigos, mas o tom é quase o mesmo, revisamos principalmente o artigo de 16 de abril (“O que é necessário internacionalmente não é uma intervenção internacional, mas a forte solidariedade do movimento operário e popular!”).

Quase todas as frases são problemáticas. Como a redação não é longa, recomendamos que o leitor leia o texto na íntegra por conta própria. Coloque alguns deles em ordem e indique qual é o problema.

“A Revolução de Mianmar, assim como a Revolução Síria, infelizmente está caindo em uma dolorosa guerra civil de longo prazo.”

O RCIT e o WRP ainda afirmam que as operações de mudança de regime lideradas pelos EUA na Líbia e na Síria em 2011 e a subsequente guerra civil como uma "revolução democrática". Por meio desta crise em Mianmar, o tema da Síria é furtivamente recolocado. Quase sempre, eles definem os antagonistas americanos como imperialismo, ou destacam seu caráter negativo, e regam o ato do imperialismo americano com a lógica de que “eles são qualitativamente iguais”.

No próximo parágrafo,

“Dizer que a“ comunidade internacional ”, ou potências imperialistas (especialmente os EUA, China, UE e Rússia), não está“ interferindo” em Mianmar agora só é verdade se a “comunidade internacional” se limitar ao Ocidente. China e Rússia, outra parte da “comunidade internacional”, estão claramente intervindo. Eles apóiam os militares de Mianmar política e militarmente. […] Os Estados Unidos e a UE, por outro lado, dizem que “apóiam o movimento de democratização”, na verdade não estão fazendo mais nada no Conselho de Segurança sob o pretexto da oposição da China e da Rússia. Ao contrário do Oriente Médio, o imperialismo EUA-UE tem pouco interesse e benefícios práticos em intervir em Mianmar.”

Afirmam que os EUA e o Ocidente não estão envolvidos no golpe de Mianmar e que “a China e a Rússia claramente intervieram”. Este nível de descrição quase parece ser uma colaboração gritante com os EUA e o Ocidente. Quais são as evidências "claras" de "intervenção, apoio e patrocínio?" Nenhum! Eles eram os mesmos há 10 anos na Líbia. Naquela época e durante a próxima década, a mudança de regime orquestrada por inúmeras evidências pelo imperialismo dos EUA, foi apoiada pelo RCIT que apenas conseguiu notar que os "rebeldes" da Líbia e da Síria eram apenas “lutadores democráticos”. E quanto à Líbia, onde Gaddafi foi derrubado, a 'Revolução Democrática' foi bem-sucedida? O país se tornou um inferno. E na Síria, que eles afirmam que o conflito não é parte de uma política de mudança de regime pelo imperialismo, mas uma 'revolução democrática'? A guerra civil estiulada pelo imperialismo transformou o país em outro inferno.

“Na Coreia do Sul, exigimos o regime de Moon Jae-in, um dos governos imperialistas ocidentais.”

WRP chama de imperialismo da Coreia do Sul. Não! A Coreia do Sul é uma colônia. A tragédia da história moderna na Península Coreana, que foi marcada pelos massacres de milhões após a Segunda Guerra Mundial, estava diretamente relacionada ao imperialismo americano. No entanto, o WRP promove a Coreia do Sul ao imperialismo. Por quê? Gritar "eles são qualitativamente iguais". ao falar sobre a libertação do imperialismo americano.

“O Grupo NL também criticou o levante popular em Mianmar, caluniando que os manifestantes são agentes financiados pelos EUA.”

O WRP chama as acusações contra os EUA de “calúnia séria”. O WRP usou repetidamente palavras como “calúnia séria” em postagens recentes sobre Mianmar. Como se fosse injusto. É hora de alegar que a América é 'inocente'. O WRP não estaria sendo muito simpático à 'injustiça' do imperialismo americano?

* * *

O WRP e o RCIT costumam fazer propaganda. No entanto, a maioria dos artigos de propaganda recentes são artigos que encorajam o sentimento anti-chinês e anti-russo. Como se sabe, a campanha americana anti-China e anti-Rússia está aumentando. Há poucos dias, na cúpula EUA-Japão, eles anunciaram publicamente a cooperação contra a China. Como resultado, a loucura do racismo anti-asiático e anti-chinês está ocorrendo em regiões imperialistas como os EUA, Grã-Bretanha e Austrália. Na Coreia do Sul, a xenofobia contra o povo chinês é feito de maneira casual. Temos demonstrações de que a propaganda do WRP e do RCIT é simpática a esta campanha imperialista.

RCIT e WRP dizem supostamente defender o “duplo derrotismo” de Lenin. Para aplicar essa linha, a propaganda desses grupos mais recente se concentra em dizer que a 'China, Rússia e Coréia do Sul são imperialistas'. Desse modo eles debilitam a frente antiimperialista ao definir como "imperialistas" os antagonistas do imperialismo americano. Isso distorce os conceitos centrais do leninismo, como "imperialismo e super lucro etc". O WRP e o RCIT são muito perigosos.


As demandas da classe trabalhadora de Mianmar e do Mundo

- Pela derrubada dos militares de Mianmar, uma ferramenta do capitalismo e do imperialismo!
- Pela vitória da greve geral e da luta armada!
- Pela conquista dos direitos políticos como manifestação, expressão, pensamento, liberdade de associação!
- Pela libertação de todos os presos políticos presos, incluindo Aung San Suu Kyi!
- Pelo fim das ilusões políticas sobre as chamadas forças democráticas, como Aung San Suu Kyi, que é apenas mais uma carta da tirania em Mianmar!
- Pela vitória do comunismo e da liberdade política das minorias!
- Em defesa da independência das minoria?


20 de abril de 2021
?

  1. On imperialist media and ‘leftist’ cheerleaders

  2. No Image 25Nov
    by 볼셰비키
    2018/11/25 by 볼셰비키
    Views 657 

    [Our Program] The Program of the Bolshevik-Leninist

  3. No Image 07Dec
    by 볼셰비키
    2018/12/07 by 볼셰비키
    Views 530 

    [Our Program] The South Korean 18th presidential election and the IBT/2012

  4. No Image 09Sep
    by 볼셰비키
    2021/09/09 by 볼셰비키
    Views 517 

    Defeat of Imperialism in Afghanistan and Tasks of Working Class

  5. No Image 20Nov
    by 볼셰비키
    2019/11/20 by 볼셰비키
    Views 502 

    Three axes of the Hong Kong situation : imperialism, bureaucracy and the working class’s revolutionary vanguard

  6. Criticism of the “Short Thought on Hong Kong Protest” of Labor and Social Science Institute

  7. [Portuguise & English] Contribution of Bolshevik Group(South Korea) to Marxists speak out on the conflict between Russia and imperialism

  8. Kazakhstan: In the aftermath of the defeat of another colour revolution

  9. No Image 14Apr
    by 볼셰비키
    2022/04/14 by 볼셰비키
    Views 103 

    Social character of China and working class

  10. No Image 03Oct
    by 볼셰비키
    2021/10/03 by 볼셰비키
    Views 101 

    Capitalist World System close to death : Endless Currency Distribution, Inflation and Working class

  11. No Image 15May
    by 볼셰비키
    2022/05/15 by 볼셰비키
    Views 94 

    Marxist speak out: “Two Key Programatic Issues for Rebuilding International Leadership”

  12. No Image 20Mar
    by 볼셰비키
    2022/03/20 by 볼셰비키
    Views 66 

    The Petty-bourgeois Socialism and “The State and Revolution” : On the question of State Capitalism

  13. No Image 10Sep
    by 볼셰비키
    2022/09/10 by 볼셰비키
    Views 65 

    Bolshevik group on the september "Call out for Action"

  14. [포르투갈] A Ditadura militar de Mianmar e a classe trabalhadora E a percepção muito prejudicial de alguns esquerdistas

  15. No Image 19Aug
    by 볼셰비키
    2022/08/19 by 볼셰비키
    Views 43 

    Social character of China and working class II-1 Changes in Chinese society as a result of "reform and opening-up"

  16. [포르투갈] Sistema Mundial Capitalista perto da morte: Distribuição Infinita de Moedas, Inflação e Classe Trabalhadora

  17. No Image 20Sep
    by 볼셰비키
    2022/09/20 by 볼셰비키
    Views 13 

    Social character of China and working class II-2: Dangerous growth of pro-capitalist forces in China

  18. No Image 25Sep
    by 볼셰비키
    2022/09/25 by 볼셰비키
    Views 7 

    Social character of China and working class II-3: China's Property Relationship: Still Dominant State Ownership System

Board Pagination Prev 1 2 Next
/ 2